terça-feira, 14 de julho de 2009

Confraria Brasileira de Enoblogs, seus vinhos e o poder da comunicação...

Quando eu conheci a CBE logo me interessei por manter um blog (sim, o Azpilicueta veio depois, mas foi pré-requisito para ingressar na confraria), pois a ideia de, mesmo à distância, avaliar um vinho, comparar os resultados e, principalmente, emitir uma opinião em bloco, me pareceu, além de divertida e integrativa, oportuna como contribuição à formação e amadurecimento de um mercado consumidor do qual escolhi fazer parte.

Algumas sugestões são unânimes, quer positivas ou negativas, e dão um claro feedback a produtores, importadores e varejistas não apenas sobre a qualidade dos seus produtos, mas fornecem perspectivas sobre como melhor nos atender numa ocasião futura. Já outras, dividem opiniões e indicam que a diversidade é importante para atender a paladares e expectativas tão diversos (resgatando uma analogia de post anterior: A era do Ford T exclusivamente preto já passou!).

Na era da comunicação por blogs, feeds, facebook, twitter e demais ferramentas de colaboração (será que este período vai durar o bastante para ser chamado de era? ou uma nova onda substituta surgirá antes?) percebemos que os principais players deste mercado estão de olho na opinião dos blogueiros, twitteiros etc, pois tornam-se seguidores de nossos blogs, "amigos" em outras ferramentas, ou simplesmente dão aquela espiada e depois tecem comentários na mídia especializada, segundo este ou aquele conceito que leram neste ou naquele blog.

Portanto, mesmo quando o vinho do mês não me agrada, ou mostra-se inferior qualitativamente à sua - e, principalmente, à nossa proposta - eu tenho aquela sensação prazerosa do "dever cumprido", pois ao manifestar minha opinião, agi pró-ativamente para a estruturação do mercado viti-vinícola brasileiro.

E, digo mais, como costumo ser do contra e assumir o papel de "advogado do diabo", acho que quando nos decepcionamos é que contribuímos mais. Procuro pensar como um investimento a ser resgatado no futuro. Pois já é possível perceber alguns players selecionando melhor seu mix e definindo uma precificação mais justa para todos.

Aos amigos que lerem estas palavras, se ainda não participam da Confraria Brasileira de Enoblogs, pensem no assunto, pois trata-se de importante ferramenta de diálogo entre nós, consumidores de vinho, e toda a cadeia que encontra-se entre nós e as vides.

Abs.,
Marcus

4 comentários:

vinhos do mundo disse...

Bom dia Marcus, parabéns pelo blog. Gostaria de saber como faço para pegar informações sobre a confraria brasileira de enoblogs. Agradeço desde já.

Marcus disse...

Vinhos do Mundo,

Obrigado pela visita.

No ótimo blog Vinho Para Todos (vinhoparatodos.blogspot.com), do Gil Mesquita, que é um dos fundadores da CBE, vc encontrará, além dos links para todos os vinhos degustados pela confraria, alguns posts sobre a formação e história desta iniciativa.

No entanto, para fazer parte, sinta-se convidado e, em concordando, me informe o seu e-mail, para que possa receber, mensalmente, a informação sobre o vinho do mês. By the way, o vinho deste mês é o Casa Valduga CF 2005.

Volte sempre!

Abs.,
Marcus

Vinho para Todos disse...

Marcus, acabo de ler sua postagem e assino embaixo, integralmente. Quando li comentários de outros confrades sobre o desiteresse nos vinhos da CBE, pensei em enviar uma "contestação", mas não estava num bom dia, corria o risco de dizer mais do que deveria.
A dinâmica da CBE não é escolher um vinho que todos gostarão. Se fosse assim, nossa faixa de preços deveria ser outra e a escolha preferencial de um vinho brasileiro talvez devesse ser repensada, pois sabemos do preconceito ainda existente.
Ao escolher um Miolo Gamay 2009, escolhemos um vinho com muito marketing em cima, que prometia (segundo a propaganda) ser melhor que o 2008. E não foi, pelo menos na minha avaliação. Continua sendo um vinho fraco.
O Pizzato Reserva Merlot 2005 foi eleito o melhor do Vale dos Vinhedos, mas aqui na CBE não mereceu tantos louros.
E por aí vamos...
De vez em quando eu mesmo torço o nariz para alguma escolha, mas não deixei de comentar nenhum vinho, não somente porque fui fundador da CBE, mas porque sou curioso e principalmente porque compromisso é compromisso.
Obrigado pela força!
Farei contato com o blog "Vinhos do Mundo" convidando-o para participar conosco. Se tiver mais interessados, fique à vontade em convidar. Apenas peço que me informe o e-mail para comunicar sobre o rodízio e as escolhas.
Saúde.

Gil Mesquita
Vinho para Todos

Marcus disse...

Grande Gil,

Eu também fiquei incomodado com o teor de algumas leituras e achei que seria saudável - além de justo - oferecer uma outra perspectiva para nossos confrades e leitores.

Francamente, quando quero ter a certeza de que vou beber um bom vinho, um ótimo vinho, um vinho que não vá me desapontar, eu recorro a algum rótulo de minha adega, que já tenha sido homologado previamente! Sempre que um novo rótulo é desarrolhado, por mais caro, pontuado ou bem comentado que seja, o risco de desapontamento é grande. E quando as más notícias ocorrem, é bom contar com outras opiniões. Ponto pra CBE!

Quanto ao Vinhos do Mundo, legal que vc fale com ele. Eu ainda não recebi nenhum retorno dele. Espero que ele se junte a nós. Pelo que pude perceber, trata-se de um jovem (mais jovem ainda do que nós, com certeza) e sua visão e opinião trarão perspectivas interessantes.

Abs.,
Marcus

Alguns outros posts interessantes...